Trabalhar à distância faria sua vida melhor?

A tendência inicial talvez seja responder sim a esta pergunta. Mas o fato é que para usufruir dos possíveis benefícios do teletrabalho (p.ex.: redução de custo, melhor qualidade de vida, melhor uso do tempo), trabalhador e empresa precisam administrar os riscos do modelo.

O trabalhador terá que lidar, por exemplo, com a responsabilidade da autonomia, com o isolamento, com a disciplina para bom uso do tempo. Já a empresa, com a necessidade de possuir  sistemas de comunicação e infraestrutura que garantam o modelo, leis trabalhistas, o preparo dos seus líderes para exercer supervisão remota, o risco de isolamento dos trabalhadores, questões de higiene e segurança do trabalho, para citar algumas variáveis.

A Ascend abordou o tema com 127 profissionais. Seguem os resultados:

  • 80% dos profissionais afirmaram que sua qualidade de vida seria melhor se a empresa oferecesse a opção do teletrabalho. Apenas 5% disseram que sua qualidade de vida não melhoraria. 13% responderam talvez. Os demais não souberam responder.

  • 70% dos profissionais afirmaram que o teletrabalho aumentaria seu grau de satisfação com a empresa. 11% disseram que sua satisfação não mudaria com o modelo. 16% disseram talvez. Os demais disseram não saber.  

  • Quanto ao tempo de deslocamento de casa até o trabalho: apenas 23% dos respondentes disseram levar menos de 30 minutos; 35%,  entre 30 e 60 minutos; 42%, mais de 1 hora.

  • Quanto a faltar ao trabalho para resolver questões pessoais, apenas 8% dos profissionais afirmaram nunca fazê-lo. Dos restantes 92%: 23% faltam 4 vezes ou mais vezes ao ano; 20% faltam 3 vezes ao ano; 26%, 2 vezes ao ano; 23%, 1 vez ao ano.

  • 52% dos profissionais afirmam que a implementação do teletrabalho reduziria o absenteísmo na empresa. 11% disseram que não. 34% disseram talvez. O restante, disse não saber se haveria diminuição do absenteísmo.

  • Quanto ao tempo que os profissionais perdem no local de trabalho em virtude de interrupções (telefone, pessoas, reuniões, outros), 39% afirmaram perder mais de 90 minutos por dia. 31%, entre 60 e 90 minutos por dia. 24%, entre 30 e 60 minutos. Apenas 6% afirmaram perder menos de 30 minutos por dia.

  • Quanto ao teletrabalho contribuir para maior produtividade na organização, 55% dos profissionais acreditam que a produtividade seria aumentada. 8% responderam que não e 35%, talvez. Os demais disseram não saber.

  • Sobre redução de custos fixos (aluguel, manutenção, luz, água, viagens, transporte, etc.) para a empresa: 70% dos profissionais afirmaram que suas empresas conseguiriam reduzir custos. 12% acreditam que os custos não seriam reduzidos. 17% responderam talvez. Os demais não souberam responder.

  • Com relação ao teletrabalho poder ser aplicado a todas as áreas da empresa, 46% responderam não;  30%, sim; 24%, talvez.

Ascend RH